sábado, abril 20, 2024
spot_img
HomeMundoBrasileira é presa com cocaína em aeroporto na Indonésia, país com pena...

Brasileira é presa com cocaína em aeroporto na Indonésia, país com pena de morte

Lei do país prevê pena de morte. Advogado diz que Manuela foi enganada e usada como 'mula'.

*Por Joana Caldas e John Pacheco, g1 SC

Publicidade

A brasileira Manuela Vitória de Araújo Farias, de 19 anos, foi presa com cocaína na Ilha de Bali, uma das mais conhecidas da Indonésia. Na sexta-feira (27), ela foi indiciada por tráfico de drogas no país asiático, que prevê a pena de morte em caso de condenação.

Publicidade

O advogado dela, Davi Lira da Silva, alegou que ela foi enganada por uma organização criminosa de Santa Catarina, que prometeu férias e aulas de surfe para ela no país asiático.

De acordo com a imprensa local, a mulher foi detida no aeroporto de Bali em 31 de dezembro com cerca de 3 quilos de cocaína em uma das bagagens. O advogado diz que que Manuela não sabia o que levava nas malas.

“Ela foi aliciada por uma organização criminosa de Santa Catarina. De início, foi convidada a levar algo para a Indonésia. Perguntaram se ela tinha passaporte. Ela já tinha feito outra viagem internacional, com o namorado para Portugal. Perguntaram ‘não quer levar um negócio para mim’? Prometeram um mês de férias na Indonésia, não falaram o conteúdo do que ela ia levar”, diz.

Ainda segundo Silva, a mulher tentou abandonar a ideia, mas foi obrigada pela organização a continuar.

“Pensou em desistir, mas as pessoas forçaram. ‘Não pode não ir, a gente já gastou R$ 16 mil, R$ 20 mil, agora tem que ir ou então tem que devolver o dinheiro para a gente’. Foi constrangida a viajar”, reiterou.

PRISÃO

“Ela passou no aeroporto no Brasil e no Catar. Quando foi do dia 31 [de dezembro] para o dia 1º [de janeiro], foi detida no aeroporto da Indonésia”, relatou o advogado.

“Ela foi usada como ‘mula’, termo bem comum no Brasil. Na Indonésia, usaram o termo ‘atravessadora'”, completou.

No Brasil, Manuela tinha duas casas. O pai mora no Pará e a mãe, em Santa Catarina. A jovem atuava como autônoma, vendendo perfume e lingerie.

O advogado explicou que no país asiático não há nas normas uma distinção na pena para pessoas que atuem como “mulas”. Havia a expectativa que a mulher não fosse indiciada.

Na Indonésia, há pena de morte para o tráfico de drogas. “A família está muito preocupada por causa da pena capital”, disse o advogado. No país asiático, ela é defendida por um defensor público.

Silva reitera que não tem contato direto com a mulher. A comunicação é intermediada pela Embaixada do Brasil na Indonésia. Manuela está presa em um local de detenção provisória. Com o indiciamento, deve ser transferida para um presídio.

Ela deve passar por um processo judicial, que dura, em média, oito meses. “A Manuela não é uma narcotraficante, ela não ostenta padrão de vida elevado, é mais uma vítima de organização criminosa. A família tenta fazer uma campanha, para levantar dinheiro para pagar um advogado especialista na Indonésia. A família está desesperada, mas tem esperança que ela não pegue pena capital, que seja demonstrado que ela foi usada [pela organização criminosa]”, disse o advogado.

ARTIGOS RELACIONADOS
Anuncie Aqui!
Publicidade

EM DESTAQUE