quinta-feira, maio 23, 2024
spot_img
HomeEleiçõesComo a influência das fake news nas eleições municipais deste ano é...

Como a influência das fake news nas eleições municipais deste ano é um desafio histórico

De 2020 até agora, parece que o cenário se tornou ainda mais complexo; Entenda

*Arthur Ituassu, (PUC-Rio) / The Conversation

Publicidade

As eleições municipais deste ano se destacam como o período eleitoral mais desafiador da história do Brasil em relação às fake news. Esse desafio é impulsionado por dois fatores. Por um lado, os avanços tecnológicos na comunicação e informação estão criando um ambiente cada vez mais complexo. Um exemplo claro desse impacto é a presença crescente da Inteligência Artificial nas campanhas eleitorais, algo que já foi evidenciado nas últimas eleições presidenciais na Argentina.

Publicidade

Além disso, enfrentamos um contexto eleitoral abrangente, com um total de 5.565 eleições majoritárias e proporcionais a nível municipal. Os pleitos majoritários são o ambiente ideal para a propagação de fake news, especialmente durante o segundo turno. Quanto mais acirrada a disputa, mais as fake news podem ser importantes.

O que aprendemos com as últimas eleições municipais

Há quatro anos, durante as eleições municipais de 2020, eu e meus estudantes realizamos um estudo sobre mídias digitais, eleições e democracia no Brasil. Entrevistamos 30 profissionais de campanha digital no país, os quais possuem experiência em diversos tipos de pleitos eleitorais, tanto majoritários quanto proporcionais, em âmbito nacional, estadual e municipal. É importante ressaltar que alguns desses profissionais atuam simultaneamente em múltiplas campanhas.

Nossas entrevistas englobaram indivíduos que já prestaram serviços para uma variedade de partidos políticos, como o Partido Democrático Trabalhista (PDT), o Partido Republicano Progressista (PRP), o Partido Social Cristão (PSC), o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Partido dos Trabalhadores (PT), Partido Verde (PV), UNIÃO (anteriormente chamado de Democratas), Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), Novo, Solidariedade e o extinto Partido Social Liberal (PSL).

As entrevistas, com uma média de 45 minutos de duração, foram seguidas por uma análise coletiva do seu conteúdo, onde identificamos três pontos de destaque. Primeiramente, discutimos a percepção compartilhada de que a desinformação sempre esteve presente na política, mas agora, com o surgimento das mídias digitais, ela adquiriu uma nova forma. Por exemplo, alguns entrevistados mencionaram que as fake news representam uma continuidade de práticas antigas de espalhar boatos e mentiras, algo que eles consideram ser uma constante na política.

Em segundo lugar, surgiram perspectivas pessimistas em relação ao fenômeno das fake news. Alguns entrevistados expressaram preocupações sobre a dificuldade de controle das notícias falsas, destacando que é muito fácil disseminá-las e que possuem uma influência considerável. O que, na opinião deles, tende a se agravar. Eles apontaram que as fake news exercem um impacto significativo nas disputas pelas prefeituras, especialmente em municípios de menor porte.

Segundo esses entrevistados, a intensidade e a predominância das campanhas eleitorais para os cargos executivos municipais, juntamente com a escassez de recursos de mídia nas pequenas cidades, criam um ambiente propício para a propagação das fake news. Como mencionado por um dos entrevistados em nosso estudo, em locais onde não há presença significativa de veículos tradicionais de comunicação, como rádio ou jornal, as campanhas se baseiam principalmente no boca a boca, no WhatsApp e nas redes sociais.

Em terceiro lugar, ficou evidente para nós, naquele momento, o crescente papel estratégico das fake news nas campanhas eleitorais. Houve uma consideração cuidadosa dos custos e benefícios associados à sua utilização, determinando quando e como seriam empregadas.

Os entrevistados observaram que uma fake news bem-elaborada é meticulosamente planejada, e que sua eficácia depende da percepção de verdade que elas geram: “Por exemplo, se você disser que Bolsonaro vai se casar com Sérgio Moro, ninguém vai acreditar”, afirmou um dos entrevistados.

De acordo com os entrevistados, há um equívoco em acreditar que simplesmente inventar algo e compartilhar nas redes sociais fará as pessoas acreditarem. Eles destacaram a necessidade de um trabalho consistente na criação de fake news para que elas sejam eficazes. Além disso, foi mencionado que uma fake news bem elaborada começa com uma verdade, seguida de uma meia-verdade corroborada com dados reais e, por fim, uma informação falsa.

Também foi observado que apenas gerar dúvidas pode ser suficiente para influenciar a opinião públicacomo uma dúvida moral plantada contra um candidato às vésperas das eleições.

Por fim, os entrevistados mostraram ceticismo com relação aos métodos empregados no combate às fake news. “A gente fica discutindo uma comissão para apurar as fake news… isso funciona no plano macro, como as agências de checagem, mas essa informação não chega aqui embaixo, na base”, disse um deles referindo-se aos pleitos locais. Outro entrevistado afirmou que “quem faz qualquer tentativa de propor qualquer regulação ou multa, não faz a menor ideia do que está acontecendo”.

Os desafios que ainda enfrentamos

De 2020 até agora, parece que o cenário se tornou ainda mais complexo. Nesse período, diversas iniciativas ligadas à sociedade civil e às universidades surgiram no Brasil, como o Instituto Democracia em Xeque, o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital e o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Disputas e Soberanias Informacionais, entre outros similares. Essas instituições têm contribuído para o esforço notório percebido no âmbito do Tribunal Superior Eleitoral.

Além disso, as próprias campanhas eleitorais precisam se adaptar a esse contexto de fake news, monitorando o que é disseminado sobre seus candidatos no ambiente digital. Embora isso possa auxiliar as instituições eleitorais, também gera uma desigualdade devido ao aumento dos custos das campanhas. No entanto, ainda existem várias lacunas a serem preenchidas, especialmente relacionadas à regulação de conteúdo, identificação da autoria e financiamento das fake news, e, sobretudo, à responsabilidade das plataformas digitais.


A conversa

Texto escrito por: Arthur Ituassu, Professor Visitante no Centro de Estudos da América Latina na Universidade do Arizona e Professor Associado de Comunicação Política, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original .

ARTIGOS RELACIONADOS
Anuncie Aqui!
Publicidade

EM DESTAQUE