quinta-feira, julho 25, 2024
spot_img
HomeSaúdeComo alimentação inadequada aumenta risco de depressão

Como alimentação inadequada aumenta risco de depressão

Estudo com 3.206 idosos mostrou que quem aderiu a uma dieta mais inflamatória tinha duas vezes mais probabilidade de desenvolver depressão do que os participantes de uma dieta baseada na ingestão regular de diferentes nutrientes e componentes bioativos

*Bruno Bizzozero Peroni/ The Conversation

Publicidade

Há alguns anos, a prevalência de transtornos depressivos vem aumentando em todo o mundo e representa um problema crescente de saúde pública. De acordo com estimativas recentes, 4% (cerca de 280 milhões de pessoas) da população mundial antes da pandemia sofria de alguma forma de transtorno depressivo, excedendo em muito os números registrados em 1990 (3%, ≈180 milhões). Além disso, com a pandemia, pelo menos 53 milhões de casos adicionais de depressão grave foram adicionados a esse contingente.

Publicidade

Esses transtornos depressivos podem ter um impacto significativo no bem-estar geral, prejudicando o funcionamento físico e psicossocial dos indivíduos.

Existe uma solução e podemos reduzir esses números? É claro que diminuir o ritmo acelerado da vida, combater o estresse, evitar o isolamento social ou promover o contato com a natureza pode ajudar. Entretanto, há outro fator que geralmente não levamos em conta quando pensamos em prevenir a depressão: a dieta.

O que é uma dieta inflamatória e como ela se relaciona com a depressão?

Nos últimos anos, os comportamentos relacionados ao estilo de vida, como a dieta, têm recebido atenção especial como estratégias viáveis para prevenir a depressão. Mas será que temos clareza sobre qual dieta é adequada e qual não é para o nosso humor?

A adoção cada vez maior de hábitos alimentares não saudáveis (e sedentários) criou um desafio global em grande escala que perturba o equilíbrio energético e o acesso a alimentos naturais, que têm sido importantes fontes de nutrientes saudáveis ao longo da história humana. Estou me referindo a frutas, nozes, legumes e grãos integrais. Isso nos afastou de um dos padrões alimentares ideais para a saúde mais comprovados cientificamente: a dieta mediterrânea, que faz parte de uma tradição culinária intercultural milenar.

Em vez disso, tendemos a adotar dietas inadequadas, nas quais abusamos de alimentos ultraprocessados com altos níveis de sódio, açúcares adicionados e gorduras trans. Com um grande perigo, a ingestão excessiva desses alimentos faz com que nosso sistema imunológico inato libere citocinas pró-inflamatórias que, entre outras coisas, aumentam a incidência de certos tipos de câncer, síndrome metabólica, diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares, doenças neurodegenerativas e depressão.

Uma resposta inflamatória normal no corpo humano é caracterizada por um aumento temporariamente restrito da atividade inflamatória quando há uma ameaça, que se resolve quando a ameaça passa. Por outro lado, quando adotamos regularmente hábitos alimentares não saudáveis, sofremos de inflamação sistêmica crônica de baixo grau, o que leva a alterações significativas em todos os tecidos e órgãos e, por fim, aumenta o risco de várias doenças não transmissíveis.

A probabilidade de desenvolver depressão dobra

Para confirmar se existe uma relação direta entre a adesão a um padrão alimentar pró-inflamatório e o risco de desenvolver depressão, realizamos um estudo longitudinal com 3.206 idosos espanhóis sem depressão no início, avaliando a influência da dieta durante 3 anos de acompanhamento. Calculamos o potencial inflamatório da dieta a partir do Índice Inflamatório da Dieta, um algoritmo de pontuação baseado no impacto de diferentes parâmetros dietéticos (alimentos, nutrientes e outros componentes de compostos bioativos) em seis biomarcadores inflamatórios (proteína C-reativa, interleucina-6, interleucina-1β, interleucina-4, interleucina-10 e fator de necrose tumoral-α).

Assim, pudemos determinar que aqueles que aderiram a uma dieta pró-inflamatória baseada na alta ingestão de carboidratos, gorduras trans, gorduras saturadas e colesterol relataram uma maior incidência de depressão durante o estudo de acompanhamento. Especificamente, os participantes da dieta mais inflamatória tinham duas vezes mais probabilidade de desenvolver depressão do que os participantes de uma dieta anti-inflamatória baseada na ingestão regular de diferentes nutrientes e componentes bioativos, como fibras alimentares, vitaminas A, D e E, ácidos graxos ômega-3, betacaroteno, zinco, magnésio e selênio. Todos esses parâmetros dietéticos estão presentes em alimentos como frutas, verduras, legumes, ervilhas, nozes, peixes, frutos do mar e grãos integrais, entre outros.

Embora sejam necessárias mais pesquisas durante a vida adulta para tirar conclusões mais sólidas, esses resultados indicam que os hábitos alimentares podem influenciar significativamente a saúde mental dos adultos mais velhos. E que seria bom começarmos a considerar a dieta como um elemento modificável que poderia ter um impacto positivo na prevenção da depressão.


The Conversation

Texto escrito por Bruno Bizzozero Peroni, pesquisador de pós-doutorado, Universidade de Castela-Mancha (em castelhano Universidade de Castilla-La Mancha)

Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

ARTIGOS RELACIONADOS
Anuncie Aqui!
Publicidade

EM DESTAQUE