domingo, fevereiro 25, 2024
spot_img
Home Destaque Corpo encontrado em carro incendiado pode ser de servidora do Hospital Roberto Silvares

Corpo encontrado em carro incendiado pode ser de servidora do Hospital Roberto Silvares

0
Corpo encontrado em carro incendiado pode ser de servidora do Hospital Roberto Silvares
Angelica Aparecida Oliveira, de 49 anos. Crédito: Reprodução / Leitor
Angelica Aparecida Oliveira, de 49 anos. Crédito: Redes sociais / Reprodução

O corpo encontrado completamente carbonizado no banco do passageiro, de um carro incendiado na manhã deste domingo (27), na rodovia ES 356, próximo a entrada do Córrego das Araras, na Zona Rural de Jaguaré, pode ser da auxiliar administrativo Angelica Aparecida Oliveira, de 49 anos. Ela era lotada no Hospital Estadual Roberto Arnizaut Silvares, em São Mateus. Mais cedo, a perícia já havia constatado de que se tratava de um corpo do sexo feminino. Investigadores da Polícia Civil, estiveram no local, e suspeitam de homicídio.

Publicidade

Imagens mostram veículo destruído pelo fogo. Crédito: Polícia Militar / Montagem Rede Notícia
Vídeo mostra carro em chamas. Crtédito: Reprodução

O Hospital Roberto Silvares divulgou nota em que lamenta o “falecimento da colaboradora e amiga Angélica. Neste momento de tristeza, prestamos nossa solidariedade e nossas condolências aos familiares e aos amigos”, diz a nota.

Publicidade

Segundo o Portal da Transparência do Governo do Espírito Santo, Angélica desempenha a função de auxiliar administrativo no Hospital Roberto Silvares, em São Mateus, em regime de designação temporária, desde dezembro de 2021.

Por nota, a Polícia Civil informou que “o corpo da vítima, possível sexo feminino, foi encaminhado para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, para ser identificado e para ser feito o exame cadavérico, que irá identificar a causa da morte. O prazo para sair laudo cadavérico pela legislação são 10 dias, podendo ser prorrogado por igual período. Em casos em que são solicitados exames laboratoriais pode demorar mais, principalmente quando necessita de DNA (30 dias) e histopatológico (entre 60-90 dias).  O caso seguirá sob investigação da Delegacia de Polícia de Jaguaré”.

A Rede Notícia demandou informações da Polícia Militar, mas ainda não tivemos retorno.

Sobre o caso