sábado, julho 13, 2024
spot_img
HomeNorte do ESDados falsos em sistema da Justiça Eleitoral contra atual prefeito cria caos...

Dados falsos em sistema da Justiça Eleitoral contra atual prefeito cria caos político em Montanha

Analista de Cartório teria inserido informações que prejudicariam a paridade da disputa na cidade. Entenda

A Justiça Eleitoral determinou a correção de dados inseridos no sistema judicial que atribuíam a suspensão dos direitos políticos do prefeito de Montanha, no Norte do Espírito Santo, André Sampaio (PSB). Segundo a decisão, assinada pelo juiz Helthon Neves Farias, da 38ª Zona Eleitoral, houve “equívoco da serventia na interpretação das informações recebidas pelo Sistema de Informações de Direitos Políticos e Óbitos (INFODIP)”.

Publicidade

A pré-campanha do prefeito, que busca ser reconduzido, acusa um Analista de Judiciário de agir para criar um ambiente de hostilidade pública com o uso de informações falsas pela oposição na cidade. De acordo com a decisão, o prefeito teria sido condenado por improbidade administrativa e não criminal.

Publicidade

A defesa do prefeito argumentou em recurso ao Corregedor Eleitoral, que “embora o prefeito esteja em situação de possível, mas incerta, ausência de capacidade eleitoral passiva, o que será decidido adiante, é certo que sua cidadania ativa não foi atingida pela decisão da Justiça Federal, dada a ausência de trânsito em julgado”. Ou seja, a decisão de condenação do prefeito por suposta prática de improbidade administrativa, não suspende os direitos políticos do prefeito, tendo o registro de suspensão, inserido no sistema de Justiça Eleitoral, sendo revogado por ordem da mesma Justiça. A manobra teria sido feita por um servidor do Cartório Eleitoral da região.

O ato, segundo o recurso, repercutiu imediatamente e os “adversários do mandatário passaram a veicular massivamente, por vários canais de comunicação, a falsa informação de que ele esteria inelegível e com os direitos políticos suspensos, utilizando-se dos dados inseridos no sistema da Justiça Eleitoral”.

A defesa do prefeito juntou no recurso, capturas de tela que denotariam a falta de imparcialidade, neutralidade, probidade e boa-fé do servidor da Justiça Eleitoral que seria o pivô da confusão, onde o suspeito se posiciona abertamente nas redes sociais com críticas à atual gestão. Documentos juntados no processo comprovariam que a inserção dos dados equivocados que prejudicam o atual prefeito, teria sido realizado pelo Analista da Justiça Eleitoral. Ainda não há decisão judicial sobre a conduta do servidor citado.

ARTIGOS RELACIONADOS
Anuncie Aqui!
Publicidade

EM DESTAQUE