quarta-feira, fevereiro 21, 2024
spot_img
HomeDestaqueEdgar Fonseca quer lutar por uma Assembleia Legislativa "mais independente"

Edgar Fonseca quer lutar por uma Assembleia Legislativa “mais independente”

A Notícia entrevista Edgar Ribeiro da Fonseca, 53 anos, candidato a deputado estadual pelo PTB.

Publicidade

Natural de Nova Venécia e formado em direito há 30 anos, Edgar é casado com Regina Biral Duarte Fonseca, e pai de três filhos: Rebecca, Enzo e Eike.

Publicidade

Responsável por assessorar diversos candidatos durante sua carreira, o candidato disse que já esteve à frente de processos polêmicos durante, como cassação de prefeito. Ele também já foi procurador-geral dos municípios de Jaguaré e Boa Esperança e estar nesse meio, sempre vendo acontecimentos e fatos, o fez se aproximar e gostar de política.

De acordo com ele, o fato de Nova Venécia não ter um representar na Assembleia Legislativa e ser o único candidato do PTB na região Noroeste, o motivou a disputar o pleito deste ano. “Nos últimos 20 anos, temos visto que Nova Venécia tem retrocedido. Amo muito aqui, gosto demais, é uma cidade sensacional, uma das melhores, mas falta qualidade de vida. Estamos vendo que coisas estão sendo retiradas, o progresso não está vindo para cá. Está virando uma cidade de politicagem e não de políticos”, disse.

Essa é a segunda vez que Edgar disputar uma eleição para deputado estadual. A primeira, foi em 2006, pelo PSC, porém, ele afirma ter sido uma campanha rápida, sem recurso e mais local. Agora, ele disse que muita coisa mudou. “Faltava oportunidade, apoio da família, de amigos, de voluntários que abraçam aquilo que eu estava pensando. Agora, mudou a questão estrutural, da vez passada foi muito mais na empolgação e emoção, tínhamos perspectivas, vontade. Agora, temos a razão, experiência, estrutura de campanha, apoio popular e, acima de tudo, o que mais me move são as orações. Muitos irmãos orando em campanha para que sejamos eleitos em 2022”, falou ele, que é presbítero da Igreja Presbiteriana do Brasil.

“Existe uma lacuna na Ales no Norte e ela tem que ser preenchida, porém, todos os candidatos que se apresentaram, estão fora do perfil do que eu penso ser à altura. Temos candidatos que não apresentam quem apoiar para Governo do Estado e presidente. Eu tenho uma pauta mais de direita e todos que se apresentaram, são de centro para esquerda. Não tinha ninguém se apresentando na região de direita, com alinhamentos com o presidente. Outra situação, foi que o PTB nos deu uma possibilidade de eleição. Todos os candidatos que estão concorrendo, estão no mesmo patamar de votos. Então, quanto mais eu trabalhar, mais chance eu tenho de ser eleito”, continuou.

Edgar também ressaltou que durante os últimos, a Assembleia Legislativa do Espírito Santo não mostrou a dependência que deveria. “O poder que deveria ser independente, tornou-se dependente do Governo do Estado. Isso ficou provado com a pandemia, a Assembleia não ficou, em nenhum momento, a frente dos comerciantes, do pequeno. Se tornou um órgão carimbador. Nossa proposta é fazer diferente, com que o Espírito Santo tenha uma Assembleia diferente e por mais que eu seja daqui de Nova Venécia, irei atuar nos 78 municípios capixabas, lutando por dias melhores e pautando leis para todo o Estado”.

“Falta praticidade, vontade política para muita coisa. Isso que moveu o meu desejo de tentar fazer diferente na política estadual. Eu tenho vontade política e entendo que tenho capacidade de ser um bom legislador. Tenho estudado muito o Espírito Santo e a aplicação da lei para com o resultado”, completa.

Apesar de contar com o apoio de mais de 260 voluntários em 23 municípios, o candidato afirma que a probabilidade é ter votos em quase todos os municípios, em especial, com o suporte do grupo Direita Nova Venécia. “Foi feito um estudo e teve um consenso do grupo, que colocou requisitos, como falta de representatividade, o candidato que tem pautas conservadoras, não só de agora, mas de um projeto de vida, e tinha que ser um apoiador do presidente fora da política, não agora, mas que, se eleito, não vai trair o projeto. Todos os colaboradores nos conhecem, nos ouviram de alguma forma, muitos já vem nos acompanhando e esse foi o grande incentivo para sermos candidatos”, afirmou.

Projetos
“Primeiro ponto, se Deus me der essa oportunidade de ser eleito, conduzindo o povo a votar em mim, será colocar um projeto de lei para pôr fim a propagação da ideologia de gênero nas escolas públicas. Devemos respeitar qualquer que seja o gênero, com tudo, família é família, pai e pai, mãe é mãe. Defendo o princípio de que homem e a mulher foram feitos um para o outro, e respeito quem pensa diferente. Não podemos destruir as famílias, temos que enaltecer as famílias. Eu tenho um princípio muito claro na minha vida: Deus nos move, Deus nos fez, ele fez o homem e a mulher para sua flora. Se estamos aqui, somos servos e temos que servir bem, e sendo deputado, tenho que servir bem ao Espírito Santo e levar isso para a Ales, é de suma importante”.

“Vamos trabalhar para ter uma PEC para que, no mínimo 1% do orçamento do Estado, seja aplicado em emendas coletivas, impositivas e individuais. Atualmente, para 2022, a nossa receita líquida se aproximou de R$ 24 bilhões e 1% daria R$ 240 milhões. Com isso, iríamos começar a acabar com os cabrestos políticos, pois, dessa forma, as necessidades da população não seriam ventiladas a serem atendidas em época de eleição, o Governo seria obrigado a aplicar os valores naquele ano em obras públicas. Isso faria com que a independência do Legislativo chegue com resultado para a população. Não podemos ficar atrelado a benécias ou vontades de quem quer que seja. Nossa finalidade é fazer o levantamento dos municípios, das necessidades prioritárias, tudo com projetos e planejamentos, e a Ales vai indicar no orçamento a aplicação dos recursos”.

Saúde
“Vamos lutar pela descentralização da saúde, fazendo com que o atendimento chegue mais próximo da população”.

“Em relação à saúde, temos um problema muito sério, queremos diminuir a influência política nela. Decisões judiciais terão que ser cumpridas no prazo de 24 horas, medicações já cadastradas e requeridas, de uso contínuo, vamos evitar que a entrega seja demorada, criando um mecanismo legal para que elas sejam entregues por outros meios, além de manter o cadastro a nível estadual das medicações disponibilizadas, facilitando que a população tenha acesso a qualidade e quantitativo”.

“O Estado precisa manter uma página informando todos os hospitais, quantitativos de médicos, especialidades e leitos disponíveis e indisponíveis, facilitando que a população evite a demora e até mesmo morte por falta de atendimento.

Obras
“Estamos com projetos para que levantemos todas as obras que não foram concluídas, que estão se arrastando a anos, que seja de curto, médio e longo prazo, para que elas sejam concluídas. Que o Estado dinamize e não vamos cochilar. A Lei de Diretrizes Orçamentárias será o nosso balizador, para que tenhamos a aplicabilidade financeira real em obras públicas. Se for preciso, vamos emendar, mas não vai ser sem estudo. Vontade e capacidade política nós temos para fazer isso”.

Cesan
“Vamos trabalhar para criar a CPI da Cesan a nível estadual. Não dá para pagar 80% de taxa de esgoto em cima da taxa de água. É um absurdo. Paralelo a isso, queremos a valorização dos servidores da Cesan, pois muitos alegam estar desvalorizados. Água e esgoto é saúde pública, de necessidade, e tem que ter tratado como saúde”.

Agência de Regulação de Serviços Públicos do Espírito Santo
“Precisamos rever a lei de criação da Agência Reguladora, para que ela tenha maior representação popular, para que a fiscalização seja feita a contento e tenhamos taxas justas. São seis membros e somente dois são de representação popular”.

Segurança pública
“Tem que ser prioridade. Se continuar do jeito que está, teremos que ficar presos em nossas casas. Não adiantar ficar falando, temos que ter praticidade, ter alguém na Ales que apoie plano de carreira para Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, revisão do quadro da Polícia Civil, adentrar e verificar a atuação da polícia penitenciária. Se não valorizarmos os servidores, a desmotivação vai levar a um afrouxamento no combate à criminalidade”.

“Outra coisa, não dá mais para deixar desamparadas as famílias daqueles que tombam na defesa da nossa segurança. As homenagens vão só até o sepultamento e depois, familiares se quer são lembrados. O Espírito Santo tem valorizado as coisas e não as pessoas”.

“Vamos lutar, em proposição, para levar cursos de formação para os Batalhões. Vamos formar os nossos alunos e eles já vão começar a atuar para inibir o crime”.

Agricultura
“Lutar para que a Seag possa criar uma empresa que atenda o agronegócio e a agricultura familiar, com máquinas, técnicos, engenheiros, balizarmos isso para fazer com que melhoremos nossa qualidade na produção agrícola e pecuária. Vamos lutar, também, para que o ICMS do café conilon seja igualado com o do arábica, uma vez que o arábica é 7% e o conilon é 12%”.

Precatórios
“Criar dentro da Ales, com praticidade, uma comissão para acompanhar, trabalhando já para prever no orçamento, os processos relacionados a execução dos precatórios, inclusive, fazendo com que no orçamento, o percentual fique já para cumprir as obrigações. Não dá mais para empurrarmos para governos e governos, as mazelas do passado. Servidor não é culpado pelo passado e o Governo tem que fazer o dever de casa. Os governos anteriores tomaram algumas medidas em relação aos servidores sem análise. Após a Constituição Federal de 1988, nenhum servidor pode ser administrativo sem concurso. Criou-se o regime estatuário e levou todos para eles, não fizeram a devida separação legal. Poderiam deixar os celetistas no Regime Geral da Previdência, o que não podemos é deixá-los desamparados, pois muitos não conseguem nem se aposentar e essa inclusão em regime único foi considerada inconstitucional. Então, precisamos buscar mecanismos legais, ou por lei, ver o que o Estado vai fazer. Vamos criar um núcleo e quero crer que, se eleito for, vamos conquistar o respeito dos capixabas no final, porque isso vamos tratar com prioridade”.

“O que pedimos, é que continuem orando por nós, pela minha família, estamos com muita disposição e fé para conquistar os votos necessários, mas, acima de tudo, estamos comprometidos com a verdade. Agora, é hora da mudança e todos que concordam com nossos princípios, estamos abertos a receber apoios hoje e sempre”.

ARTIGOS RELACIONADOS
Anuncie Aqui!
Publicidade

EM DESTAQUE