domingo, fevereiro 25, 2024
spot_img
HomeCiênciaEntenda o efeito que os aplicativos de namoro podem causar no cérebro

Entenda o efeito que os aplicativos de namoro podem causar no cérebro

*Anya Ryan / BBC Three

Publicidade

Nós todos (ou quase todos) queremos nos apaixonar, certo? E os aplicativos de namoro estão aí para nos ajudar.

Publicidade

Na nova série da BBC Three, Planet Sex, a modelo Cara Delevingne investigou o que acontece com nossos cérebros quando vemos imagens de pessoas que achamos atraentes.

Em um dos episódios, ela mesma foi examinada.

Seu cérebro foi monitorado enquanto ele via imagens de pessoas que reconhecia, de conhecidos que achava atraentes a pessoas com quem teve relacionamentos de longo prazo.

As funções cerebrais de Cara se iluminaram mais quando imagens de seus amores sérios do passado apareceram, e os resultados, disse a Dra. Bianca Acevedo, que conduziu sua varredura cerebral, prova que “o amor é um impulso realmente forte.”

“Mesmo quando o relacionamento do casal não é bom, ainda há uma forte conexão – você vê intensa atividade de recompensa em seus cérebros.”

“O amor é basicamente uma droga”, concordou Cara.

Não é nenhuma surpresa que os aplicativos de namoro, uma tecnologia que nos ajuda a encontrar o amor, sejam tão populares.

Em 2022, ano em que o pioneiro Tinder comemorou 10 anos de existência, 323 milhões de pessoas ao redor do mundo estavam usando esse e outros aplicativos semelhantes, segundo um estudo recente.

E é que são “incrivelmente viciantes”, segundo a psicóloga e consultora cultural Zoe Mallett.

“Eles dão a você a chance de conhecer pessoas que você não conheceria de outra forma”, diz ele, mas acrescenta que nem tudo são coisas positivas.

Embora possam ajudá-lo a encontrar o amor, já que há muito tempo envolvido na tela, “eles podem mudar a maneira como você se comporta quando conhece pessoas na vida real”, diz ela.

Eles são baseados em reforço intermitente, algo que Mallett define como a “entrega de recompensas em intervalos irregulares”.

“Os cientistas relacionam isso com jogos de azar. É a sensação viciante de nem sempre ganhar “, detalha.

Isso porque se você encontrar alguém por quem se sente atraído e escolher essa pessoa, nada garante que a mesma coisa acontecerá com essa pessoa, então, quando ocorre o match, a recompensa parece maior.

“A incerteza faz com que você invista mais”, explica ela, observando que, mesmo que você não consiga nenhuma correspondência, desejará “voltar para ter mais”.

COMO NOS SENTIMOS AO USÁ-LOS?

“Tem a ver com os níveis de dopamina em seu cérebro”, diz a psicóloga.

Descrita em um estudo da University College London como um mensageiro químico que nos ajuda a sentir prazer, a dopamina é liberada em seu cérebro quando você “dá um match” em um aplicativo de namoro, ou seja, quando encontra um par que também gostou de você.

“É a mesma substância química liberada quando você faz sexo ou ganha alguma coisa. Pode fazer você se sentir relaxado e animado”, diz Mallett.

“Você fica feliz quando usa, mas a onda de dopamina dura pouco, você está constantemente querendo senti-la novamente “

“Para envolver o usuário, os aplicativos de namoro são projetados para serem emocionantes e divertidos”, diz ele.

Semelhante à forma como usamos a mídia social, os designers de serviços de namoro querem que você volte sempre.

“Ambos têm como alvo a memória muscular do seu cérebro, então é a primeira coisa que você procura quando pega o telefone. Seu cérebro irá naturalmente para um lugar que sabe que pode fazer você se sentir bem.”

E, assim como a mídia social, os aplicativos de namoro são cuidadosamente projetados para “apagar você do resto do mundo”.

“Eles querem que você esteja ‘de óculos’ quando usar o aplicativo”, diz ele.

Usando cores, fontes e linguagem cuidadosamente projetadas, eles também se concentram no seu lado emocional.

“Quando você vê alguém de quem gosta em um aplicativo, pode começar a imaginar um futuro com essa pessoa. Não se trata apenas da aparência, mas também da narrativa que ela pode criar”, acrescenta.

AMOR?

Os humanos estão constantemente procurando por validação, diz Mallett, e é isso que os aplicativos de namoro também atraem.

“Quando você encontra um par em um aplicativo de namoro, por um breve segundo, todas as suas dúvidas podem desaparecer.”

Além disso, a sensação de “desconhecido” mantém os usuários viciados. “Você nunca sabe quem será o próximo e isso é muito emocionante.”

Mas essa emoção pode se transformar em amor?

De acordo com um estudo da YouGov, 16% dos consumidores globais entre 25 e 34 anos conheceram seu parceiro por meio de um aplicativo.

Para a psicóloga, ganhar aquele prêmio é resultado de uma mistura de “sorte” e “esforço”.

“Se você passa muito tempo procurando por amor em um aplicativo de namoro, é mais provável que encontre alguém de quem goste.

“Mas também é uma questão de sorte. Você pode não gostar de ninguém na área em que mora.”

CARA A CARA

A mídia social e os aplicativos de namoro também mudaram a maneira como nos comunicamos na vida real, argumenta Mallett.

“Nossa dependência da tecnologia fez com que algumas pessoas achassem difícil ter uma conversa cara a cara”, diz ela.

“Agora as pessoas podem pensar que não precisam se expor ou se aproximar das pessoas que veem por aí se puderem simplesmente ir para casa e usar o aplicativo, o que é muito menos intimidador ”.

Então é bom usá-los?

“Tudo tem partes boas e ruins”, considera Zoe. “Se você quer conhecer seu parceiro, eles são uma ótima maneira de descobrir o que você pode ou não querer dele.”

“Eles também podem aumentar sua confiança, mas eu não recomendaria confiar neles como sua única maneira de conhecer pessoas .”

Além disso, ela diz, a maneira como usamos aplicativos de namoro está começando a mudar.

“Aplicativos como Bumble e Thursday começaram a hospedar eventos presenciais, o que é interessante porque leva os usuários para fora do aplicativo e para um ambiente da vida real”.

“(Os criadores dos) aplicativos estão percebendo que ainda queremos conhecer pessoas na vida real”, diz Zoe.

Mas nossa obsessão por eles não deve diminuir.

“Os seres humanos gostam naturalmente de coisas que facilitam nossas vidas.

“Os aplicativos de namoro nos ajudam, facilitam nossa vida. Eles são uma solução. É difícil conhecer pessoas, então não é surpresa que gostemos tanto deles .”

*BBC News Brasil

ARTIGOS RELACIONADOS
Anuncie Aqui!
Publicidade

EM DESTAQUE