quinta-feira, abril 18, 2024
spot_img
HomeInvestigaçãoHoras após matar cunhada em Ecoporanga, suspeito esteve em empresa em Barra...

Horas após matar cunhada em Ecoporanga, suspeito esteve em empresa em Barra de São Francisco

Lidelson Pecla Libaino fugiu do distrito de culpa e é considerado foragido. Ele é suspeito de matar a cunhada Ivanalda Pereira Fernandes, um dia depois de ser denunciado por estupro da sobrinha.

Uma investigação jornalística da Rede Notícia apontou que Lidelson Pecla Libaino, suspeito de assassinar a cunhada, Ivanalda Pereira Fernandes,  após ser denunciado pelo crime de estupro da própria sobrinha, esteve pessolmente na sede da Milgran Granitos, em Barra de São Francisco, empresa em que ele tem vínculo empregatício, na manhã desta sexta-feira (15). O assassinato aconteceu na noite de quinta-feira (14), no Córrego Santa Rita, zona rural de Ecoporanga, no Norte do Espírito Santo. A reportagem demandou posicionamento da empresa, que em nota enviada na manhã de sábado (16), disse que está colaborando com a investigação (leia a nota completa no final da matéria).

Publicidade

Ivanalda Pereira Fernandes foi assassinada.  Lidelson Pecla Libaino é suspeito do crime. Crédito: Montagem Rede Notícia

Juiz mandou prender assassino

Nesta sexta-feira (15), o juiz Ronaldo Domingos de Almeida, da Vara Única de Ecoporanga, atendeu a um pedido da Polícia Civil, e expediu mandado de prisão preventiva contra Lidelson Pecla Libaino. O magistrado destaca a prova ocular como um dos piliares para ordenar a prisão sem tempo para acabar contra o suspeito. “A decretação da prisão preventiva do acusado  se faz necessária para a garantia da ordem pública. Sendo os fatos graves, como salta os olhos, com reflexos negativos na vida em sociedade, propiciano àqueles que tomam conhecimento da sua realização, um forte sentimento de impunidade e insegurança, cabe manter o recolhimento do agente causador”, diz a decisão judicial pela prisão do suspeito.

Publicidade

“É, realmente, indiscutível a gravidade dos fatos, tendo em vista que o homicídio da vítima é consequência de mais possível crime de estupro supostamente perpetrado pelo representado em desfavor da filha da vítima. Nesse diapasão, vê-se como medida adequada a prisão preventiva do representado. Entenda-se, não se tratar de clamor social, e sim de promoção de segurança pública e vida digna”, frisou o juiz Ronaldo na ordem de prisão.

Crime após denúncia de estupro

Segundo a Polícia Militar, uma equipe foi acionada com a informação de que uma mulher havia dado entrada em óbito, vítima de disparo de arma de fogo, no Hospital Fumatre, em Ecoporanga. Testemunhas contaram que Ivanalda estava em casa, quando o suspeito chegou em uma motocicleta de cor vermelha, e sacou uma arma de fogo que estava em sua cintura, e foi em direção a filha da vítima, de 14 anos, a fim de matá-la. A filha da mulher entrou para dentro de casa, e Ivanalda e o seu esposo tentaram impedir a ação de Lidelson. Durante o conflito, Lidelson atirou três vezes em direção a Ivanalda e o marido. Um dos tiros atingiu o tórax da mulher. O criminoso ainda atirou contra vizinhos que estavam nas proximidades da casa, mas nenhuma outra pessoa foi atingida. Em seguida, Lidelson Pecla Libaino fugiu.

Uma investigação jornalística da Rede Notícia, aponta que na tarde de terça-feira (13), um dia antes do crime, Ivanalda foi à Delegacia de Polícia de Ecoporanga, e registrou um Boletim de Ocorrência contra o cunhado, Lidelson Pecla Libaino. Isso porque na última sexta-feira (08/03), Dia Internancional da Mulher, a filha de Ivanalda, de 14 anos, contou para a mãe que era estuprada pelo tio (Lidelson) desde os 5 anos de idade.

A Polícia Militar informou que foi até a casa do assassino, onde a equipe foi recebida pela companheira dele, que é irmã da vítima executada. Lá, a mulher contou que o marido trabalha em uma empresa de granito em Barra de São Francisco, e que esteve em casa por volta de 18h30 de quarta-feira (14), noite do crime, recolheu alguns pertences e se retirou, não sabendo dizer qual o paradeiro dele. A Rede Notícia apurou que Lidelson Pecla Libaino esteve na manhã desta quinta-feira (15), na sede da Milgran Granitos, em Barra de São Francisco, empresa em que tem vínculo empregatício. A reportagem tenta contato com a empresa.

A Polícia Civil informou que o caso segue sob investigação da Delegacia de Polícia (DP) de Ecoporanga, que até o momento, nenhum suspeito foi detido e que detalhes da investigação não serão divulgados, no momento.

O corpo foi encaminhado pela Polícia Científica (PCIES) para o Serviço Médico Legal (SML) de Colatina, para ser necropsiado e, posteriormente, liberado para os familiares.

A Polícia Civil informou ainda que a população tem um papel importante nas investigações e pode contribuir com informações de forma anônima através do Disque-Denúncia 181, que também possui um site onde é possível anexar imagens e vídeos de ações criminosas, o disquedenuncia181.es.gov.br. O anonimato é garantido e todas as informações fornecidas são investigadas.

O que diz a empresa citada

A Milgran Granitos enviou a seguinte nota:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A empresa MILGRAN GRANITOS soube na manhã desta sexta-feira, 15/03, sobre o possível acontecido envolvendo seu colaborador, Sr. Lidelson, na cidade de Ecoporanga.

A empresa acompanha de perto as investigações policiais, colaborando com todas as informações pertinentes ao caso.

Lamentamos profundamente o ocorrido e esperamos que a justiça possa solucionar o crime o mais breve possível.

Reafirmamos nosso compromisso com a ética e a moral da sociedade capixaba.

Por fim, colocamo-nos à disposição das autoridades policiais para informações adicionais.

Atenciosamente,

MILGRAN GRANITOS

Sobre o caso

ARTIGOS RELACIONADOS
Anuncie Aqui!
Publicidade

EM DESTAQUE