domingo, abril 14, 2024
spot_img
HomeDestaqueInovação nas aulas de Ciências da rede municipal promove o protagonismo dos...

Inovação nas aulas de Ciências da rede municipal promove o protagonismo dos estudantes

Em seu segundo ano lecionando na rede municipal, o professor de Ciências, Daniel Bolsanello Belcavello, vem se destacando por usar metodologias que consideram o aluno como autor do próprio conhecimento. Em uma das atividades, por exemplo, ele utilizou a Realidade Aumentada (RA) para aproximar os estudantes de definições que, à primeira vista, podem parecer algo tão distante do dia a dia escolar.

Publicidade

A Realidade Aumentada é, basicamente, a integração de elementos virtuais ao mundo real. A atividade, realizada do dia 05 ao dia 22 de abril, buscou contextualizar os conteúdos de ciências de forma que os alunos tivessem interesse em estudá-los e não apenas decorar o que o professor diz em sala. Este tipo de metodologia ativa transforma o aluno em protagonista do seu aprendizado, fazendo com que ele busque o conhecimento, potencializando nele o desejo em aprender.

Publicidade

Inicialmente a atividade foi desenvolvida na EMCOR Gaviãozinho e depois na EMEF Veneciano com a ajuda de mídias digitais (smartphones, notebook, datashow e caixas de som), mas também foi disponibilizado material impresso para que os alunos realizassem a dinâmica em casa, aumentando o alcance e mostrando aos demais familiares e amigos o quanto a ciência está por todos os lados. Com a impressão, é montado um cubo em que há algo semelhante a um código de barras que pode ser reconhecido por um leitor de QRCode, e, ao ser identificado, produz uma imagem tridimensional (3D), tornando a figura, antes, plana do livro, o mais verídica possível.

Segundo o professor, foi possível trabalhar conteúdos e habilidades que estavam sendo desenvolvidos com base no Currículo de Ciências do município, como por exemplo, características da Terra, camadas da Terra, tipos e formação das rochas, movimentos da Terra, sistema solar, Terra, Lua e clima. “É muito satisfatório perceber o brilho no olhar dos estudantes, podendo ver o interesse despertado neles acerca dos conteúdos de ciências, e, cada vez mais, poder transformar a sala de aula em um espaço dinâmico, amplo e aberto a inovações”, afirma Daniel.

» Professor orientando o uso do aplicativo de Realidade Aumentada na EMCOR Gaviãozinho

Licenciado em Ciências Biológicas, com especialização em Ensino de Ciências nos Anos Finais, o docente não parou por aí. Entre os dias 18 e 29 de abril, ele iniciou a construção de um terrário, uma prática simples e divertida para trabalhar conteúdos e habilidades relacionados à ecologia, ecossistemas e afins.

Por se tratar de um terrário fechado, feito em um pote de vidro reaproveitado, ele simula as condições ideais de um ecossistema em equilíbrio na natureza, permitindo que as plantas dentro do recipiente permaneçam vivas.

“Foi orientado aos estudantes que deixassem o terrário fechado para podermos fazer uma futura exposição e, assim, analisar se esse pequeno ecossistema se manteve equilibrado, proporcionando a manutenção da vida dentro dele”, explicou o professor.

A atividade foi desenvolvida com os alunos das turmas de 7° ano nas escolas EMEF Veneciano e EMCOR Gaviãozinho, onde eles puderam criar seus próprios ecossistemas, colocando literalmente a mão na massa, o que possibilitou a compreensão com mais facilidade dos conteúdos. Além da produção em sala, as famílias também puderam participar, uma vez que, na EMEF Veneciano, os alunos criaram seus próprios terrários, em casa, com a ajuda de seus familiares.

As diretoras das escolas nas quais as atividades foram realizadas, Paula Alcântara e Lorena Pilon garantem que a metodologia foi um sucesso. “É nítido o engajamento dos alunos na atividade e como a aprendizagem flui naturalmente; parabenizo o professor pela sua incansável prática”, elogiou uma delas.

Para a especialista em educação, Eglieni Trevizani, da Equipe de Formação Continuada da Secretaria Municipal de Educação, as metodologias ativas criam um novo ambiente de aprendizado, que torna o estudo mais divertido e interessante. “Esse trabalho tem um retorno muito positivo para a escola, que melhora seu relacionamento com os estudantes e alcança melhores resultados” analisou a pedagoga.

» Etapas da construção do terrário na EMCOR Gaviãozinho, das primeiras orientações à conclusão do ecossistema
ARTIGOS RELACIONADOS
Anuncie Aqui!
Publicidade

EM DESTAQUE