sábado, abril 20, 2024
spot_img
HomeJustiçaQuem são os vereadores que perderam os mandatos por fraude do partido...

Quem são os vereadores que perderam os mandatos por fraude do partido em Jaguaré

Ministro Kassio Nunes Marques entendeu que o partido optou por escolher candidata laranja meramente para preencher exigência da lei

A menos de um ano das eleições municipais de 2024, a Justiça Eleitoral determinou a perda dos mandatos dos vereadores Ricardo Barros e Preto Queiroz, ambos do Partido Progressistas, por causa do descumprimento da conta de gênero por parte do partido em que se elegeram em 2020.

Publicidade

O Ministério Público Eleitoral (MPE) argumentou que uma mulher, que não recebeu nenhum voto foi inserida, de propósito, na lista de candidatos da legenda a fim de meramente cumprir o requisito de cota previsto na lei, de reservar por sexo, o percentual mínimo de 30% e o máximo de 70%, nas eleições proporcionais.

Publicidade

O processo, rejeitado no Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo (TRE-ES), teve recurso interposto pelo MPE ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília. No recurso, O Ministério Público Eleitoral afirmou haver provas que indicam que a candidatura de Suzana de Oliveira Braga (PP) foi “fictícia”. Entre as provas, estão um áudio em que a então candidata declara apoio e voto a outro candidato a vereador de Jaguaré. Além do mais, é citado o fato de Suzana não ter recebido nenhum voto, mesmo tendo filhos eleitores no município.

O Partido Progressistas (PP) se manifestou nos autos dizendo que Suzana Braga tinha a intenção de ser candidata, mas que teria desistido.

O ministro do TSE, Kassio Nunes Marques, escolheu por acolher o recurso do MPE anular todos os votos do PP nas eleições de 2020 ao cargo de vereador em Jaguaré. Determinou ainda a perda do mandato dois dois vereadores eleitos pelo partido no município, e mandou recalcular o quoeficiente eleitoral e partidário para preencher as duas cadeiras na Câmara. O ministro ainda condenou Suzana de Oliveira Braga à inelegibilidade.

Nas redes sociais, o agora ex-vereador Ricardo Barros, que havia sido eleito com 594 votos, disse que a decisão do TSE não o impede de concorrer nas próximas eleições e lamentou o erro do partido. “Fizemos uma campanha limpa”, disse.

O portal REDENOTÍCIA.ES não conseguiu contato com Preto Queiroz e Suzana de Oliveira Braga. O espaço segue aberto.

ARTIGOS RELACIONADOS
Anuncie Aqui!
Publicidade

EM DESTAQUE