quarta-feira, fevereiro 28, 2024
spot_img
HomeCotidianoSenado estuda lei que quer proibir conta em redes sociais a menores...

Senado estuda lei que quer proibir conta em redes sociais a menores de 12 anos

Entre as regras previstas no projeto, estão as proibições de contas em redes sociais para menores de 12 anos e de publicidade dirigida ao público infantil.

O Projeto de Lei 2.628/22, que cria regras para proteger crianças e adolescentes nas redes sociais, está pronto para entrar na pauta de votações da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. De autoria do senador Alessandro Vieira e relatada pelo senador Jorge Kajuru, a proposta prevê regras como a proibição de contas por menores de 12 anos e de publicidade digital dirigida às crianças.

Publicidade

“Você tem hoje estudos no mundo inteiro que comprovam o dano que é causado à formação desses jovens, especialmente na etapa de ser criança, até os 12 anos. Quando você transfere isso para a vida real, você não vai deixar o seu filho sozinho numa praça à noite, conversando com qualquer pessoa, interagindo com qualquer pessoa em qualquer ambiente sobre qualquer tema. Nas redes sociais é o que acontece,” pondera Alessandro.

Publicidade

Entre as regras previstas no projeto, estão as proibições de contas em redes sociais para menores de 12 anos e de publicidade dirigida ao público infantil.

“Então, o que o projeto faz, em alinhamento com aquilo que o mundo está mostrando, é criar uma série de regras e obrigações para as empresas que ganham dinheiro com isso, seja no sentido de limitar o acesso para quem não tem a idade, seja no sentido de criar mecanismos para que os pais possam ter um controle mínimo, uma consciência daquilo que os filhos acessam ou podem acessar nas redes sociais. Criar regras para que você tenha clareza, acesso garantido, ninguém está proibindo de ter acesso à rede social ou acesso à internet, não é isso! Mas tem que ter regras e transparência. Tem todo um leque de empresas que ganham dinheiro com publicidade focada em criança e adolescente. Então, a gente cria uma série de obrigações para elas”,  explica o autor da proposta.

*Com informações da Agência Senado e Migalhas

ARTIGOS RELACIONADOS
Anuncie Aqui!
Publicidade

EM DESTAQUE