domingo, abril 14, 2024
spot_img
HomeBrasilTragédia humanitária: hospital e associação registram novas mortes de indígenas Yanomami

Tragédia humanitária: hospital e associação registram novas mortes de indígenas Yanomami

*Por g1 RR

Publicidade

Uma mulher Yanomami, de 33 anos, morreu nesta sexta-feira (27), na Capital de Roraima, Boa Vista. Ela tinha desnutrição grave e estava na UTI do Hospital Geral de Roraima. A indígena era mãe de duas crianças que estão internadas no único hospital infantil do estado, também em tratamento por desnutrição grave.

Publicidade

O pai das meninas, também doente, as acompanhava no Hospital da Criança Santo Antônio. Ele foi informado sobre a morte da esposa na unidade ainda na sexta e decidiu acompanhar o corpo até a comunidade, para participar do ritual fúnebre. Um servidor da saúde deve ficar com as crianças enquanto o pai estiver ausente.

A reportagem teve acesso à declaração de óbito da vítima. No documento, cita que ela teve acidose metabólica refratária e pseudocolite membranosa, que ocorre quando o paciente sofre de uma intensa desidratação, carência de nutrientes e inflamação intestinal que pode ser causada por verminose.

Após saber da morte da esposa, ela foi levado à Casa de Saúde Yanomami, em Boa Vista, onde está inconsolável com a perda.

Além da morte da mulher em Boa Vista, o presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena Yanomami e Ye’kuana(Condisi), Júnior Hekurari Yanomami, informou neste sábado (28) que há relatos de que ao menos outros cinco indígenas morreram em comunidades dentro da Terra Yanomami, entre as vítimas estão um menino, de 9 anos, e um líder indígena.

“Recebi a informação dos Yanomami da região de Surucucu. Eles disseram que uma liderança e uma criança de 9 anos faleceu de malária dentro da floresta. A equipe de saúde foi resgatar, mas só resgataram quatro yanomami em estado grave de malária. Os corpos estão lá na floresta”, disse Hekurari em entrevista à reportagem.

Segundo o presidente, as vítimas eram da comunidade Komatha, região de Surucucu, onde há o polo base de saúde considerado referência dentro do território.

“Morreram dentro da floresta porque foram procurar alimentação”, disse Hekurari, acrescentando que busca ajuda para retirar os corpos de onde estão para levá-los à comunidade onde viviam.

Maior território indígena do país, a Terra Yanomami está sob emergência de saúde pública em razão da desassistência ao povo Yanomami, que enfrenta nos últimos anos o avanço do garimpo ilegal e abandono do governo.

Neste sábado (28), completa uma semana desde que o presidente Lula (PT) esteve em Roraima para ver de perto a situação Yanomami, classificada por ele como desumana. Nestes dias, a crise sanitária agravada nos últimos quatro anos ficou em evidência o nacional e internacionalmente.

Entre as medidas adotadas nestes dias, estão a implantação do Hospital de Campanha, montado em Boa Vista para atender os indígenas doentes, criação Comitê de Coordenação Nacional para discutir e adotar medidas em articulação entre os poderes para prestar atendimento a essa população, e acionamento de profissionais de Saúde por meio da Força Nacional do SUS.

ARTIGOS RELACIONADOS
Anuncie Aqui!
Publicidade

EM DESTAQUE