quinta-feira, maio 23, 2024
spot_img
HomeCiênciaComo a Inteligência Artificial pode melhorar o prognóstico de pacientes com câncer

Como a Inteligência Artificial pode melhorar o prognóstico de pacientes com câncer

Estudos mostram que a IA tem o potencial de transformar a área da saúde, oferecendo novas maneiras de melhorar a prevenção, o diagnóstico, o tratamento e o gerenciamento do câncer em muitas áreas terapêuticas - oncologia, cardiologia e oftalmologia em particular

*Frédéric Jallat, PhD, ESCP Business School

Publicidade

Com 1,2 milhão de mortes em 2020, ou 23% do número total de mortes, o câncer é a segunda maior causa de morte na União Europeia. Esse número é ainda mais trágico, pois 40% desses cânceres poderiam ser evitados por meio da detecção precoce e de mudanças no estilo de vida, como não fumar ou praticar exercícios regularmente.

Publicidade

No entanto, pesquisas sobre o futuro da medicina oferecem esperança, com previsão de progresso significativo na prevenção e no tratamento da doença nas próximas décadas. O aumento da Inteligência Artificial (IA), entre outros, é uma das causas significativas para o otimismo.

O que exatamente envolve a IA na área da saúde?

Muitos artigos de pesquisa recentes mostram que a IA tem o potencial de transformar a área da saúde, oferecendo novas maneiras de melhorar a prevenção, o diagnóstico, o tratamento e o gerenciamento do câncer em muitas áreas terapêuticas – oncologia, cardiologia e oftalmologia em particular – e em toda a cadeia de valor desde a pesquisa, o desenvolvimento, a produção até a comercialização. De modo geral, os pacientes poderão desfrutar de um atendimento muito melhor.

Analisando os números do mercado, o crescimento da IA no setor de saúde fica evidente pelo grande número de participantes. Deixando de lado o florescimento das startups de IA, 18 das 47 multinacionais que fornecem IA atualmente oferecem soluções de saúde. Dessas, 80% oferecem soluções inovadoras relacionadas estritamente ao tratamento, enquanto 20% produzem ferramentas baseadas em eficiência para otimizar recursos e aprimorar a tecnologia de saúde.

A IA deverá contribuir para seis áreas em particular:

  • Pesquisa médica: A IA pode acelerar o desenvolvimento de novos tratamentos por meio da análise de grandes volumes de dados para identificar compostos químicos promissores e prever sua eficácia. A tecnologia deverá ter um grande impacto no desenvolvimento de medicamentos, acelerando a pesquisa clínica por meio da identificação de pacientes qualificados para testes clínicos e da análise dos dados gerados por esses testes;
  • Diagnóstico médico: A IA pode ajudar os médicos a fazer diagnósticos mais rápidos e precisos por meio da análise de dados médicos (imagens de raios X, resultados de laboratório, históricos médicos específicos, por exemplo). Os algoritmos de IA podem detectar sinais precoces de doenças e ajudar a identificar o tratamento mais adequado. Entre muitos outros exemplos, o Wisconsin Breast Cancer usou um algoritmo específico de aprendizado de máquina que foi aplicado com sucesso para diagnosticar o câncer de mama e obteve 98,53% de precisão na classificação;
  • Assistência cirúrgica: A IA pode ajudar os cirurgiões a planejar e realizar procedimentos cirúrgicos complexos, incluindo planejamento pré-operatório, abordagens intraoperatórias e previsão de complicações pós-operatórias. Os robôs cirúrgicos assistidos por IA permitem maior precisão e recuperação pós-operatória mais rápida para os pacientes;
  • Monitoramento do paciente: A IA pode ser usada para monitorar os sinais vitais dos pacientes, incluindo frequência cardíaca, pressão arterial ou nível de açúcar no sangue, e alertar os profissionais de saúde em caso de anormalidades. Prevê-se que isso seja revolucionário para pacientes com doenças crônicas, permitindo o monitoramento completo e a intervenção precoce em caso de complicações;
  • Tratamento personalizado: A IA pode levar em consideração grandes quantidades de dados médicos para determinar o tratamento mais direcionado para os pacientes, levando em consideração seu perfil genético, histórico médico, estilo de vida e uma série de outras características específicas;
  • Gerenciamento de registros médicos: A IA pode automatizar o gerenciamento de registros médicos eletrônicos, tornando-o mais eficiente e preciso e garantindo a confidencialidade e a segurança das informações dos pacientes.

Procedimento de anúncio de diagnóstico

Dentre as áreas descritas acima, o mercado de diagnóstico médico assistido por IA está se saindo particularmente bem. Com um valor atual de US$ 1,3 bilhão, espera-se uma taxa de crescimento anual de mais de 23% nos próximos cinco anos, chegando a US$ 3,7 bilhões em 2028. Já existe uma forte demanda por software de análise de imagens médicas baseado em nuvem, em particular. Áreas como mamografia, tomografia computadorizada ou ressonância magnética devem estar entre as primeiras a se beneficiar da tecnologia.

Na prática, porém, muitos centros hospitalares estão lutando contra a falta de recursos tecnológicos, o que dificulta o aproveitamento do potencial da IA. Veja o caso das lâminas de patologia com base nas quais as anomalias biológicas são analisadas: embora todas elas devam ser digitalizadas para treinar modelos de IA, a grande maioria das instituições europeias atualmente não tem o equipamento para fazer isso.

Gerenciamento de tratamento, suporte e monitoramento pós-tratamento

A IA pode ser usada em todos os estágios do tratamento do câncer, permitindo que os profissionais de saúde se concentrem em tarefas de alto valor agregado, como atendimento direto ao paciente e suporte psicológico, tomada de decisões técnicas críticas e estudos clínicos. Isso pode levar a melhores resultados para os pacientes e a um sistema de saúde mais eficiente.

Cinco áreas em particular podem se beneficiar da tecnologia:

  • ferramentas de gerenciamento organizacional, que economizam muito tempo do médico em tarefas rotineiras. Algumas delas podem ajudar a monitorar o fluxo de pacientes, reduzir a carga administrativa e registrar anotações graças ao software de transcrição automatizada para completar os registros médicos;
  • Ferramentas analíticas preditivas, que extraem e analisam grandes quantidades de dados de pacientes e determinam a quais categorias de saúde um paciente pertence. Isso permite um tratamento mais personalizado e eficiente;
  • Ferramentas de assistência cirúrgica com IA, baseadas em robótica médica. Essas tecnologias ainda são usadas com muita frequência para procedimentos cirúrgicos simples, como suturas;
  • O monitoramento remoto permite que os profissionais médicos usem dispositivos médicos digitais para interpretar remotamente os dados de saúde dos pacientes coletados em suas casas e tomar decisões sobre seus cuidados. Os sistemas de monitoramento remoto têm como objetivo melhorar a saúde dos pacientes por meio do monitoramento regular;
  • Os chatbots também podem ser incluídos em uma ampla gama de aplicativos (Messenger, Slack). Eles podem ser utilizados em todo o percurso de atendimento ao paciente, mas são especialmente úteis durante o período de monitoramento, no qual o suporte contínuo é crucial.

Os limites da IA na área da saúde

Apesar de todas essas perspectivas empolgantes, precisaremos superar um conjunto de desafios antes de podermos desfrutar de toda a gama de benefícios da assistência médica assistida por IA.

Por um lado, a IA ainda precisa se tornar mais sofisticada do ponto de vista técnico. Por exemplo, a atual ausência de um formato universal para dados de saúde torna difícil limpá-los e transferi-los de um software ou computador para outro. A grande maioria das soluções de IA também precisa ser treinada por humanos – e não por qualquer humano. Em colaboração com os profissionais de saúde, os engenheiros precisarão ouvir atentamente as necessidades da comunidade médica e refleti-las na IA emergente.

Não é segredo que questões socioculturais e éticas também precisarão ser levadas em consideração. A proteção de dados continua sendo um problema real para muitos cidadãos, embora a regulamentação da estrutura da União Europeia de 2018 para o processamento de dados, o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR), tenha dado mais poder aos indivíduos para ditar como as empresas lidam com suas informações pessoais. A Lei de IA da UE, a primeira legislação abrangente do mundo a regulamentar as máquinas de IA que apresentam riscos à saúde, aos direitos humanos e à segurança, também deve ajudar a aliviar essas preocupações.

Este artigo foi escrito em conjunto com o ex-aluno do Prof. Frédéric Jallat, Rym Aouchiche, que atualmente trabalha como Consultor Associado de Ciências da Vida e Estratégia na IQVIA.

Frédéric Jallat, PhD, Professor of Marketing and Academic Director of MSc. in Biopharmaceutical Management, ESCP Business School

This article is republished from The Conversation under a Creative Commons license. Read the original article.

ARTIGOS RELACIONADOS
Anuncie Aqui!
Publicidade

EM DESTAQUE